Concept Art: criação de personagens para games

Criar personagens sempre foi uma tarefa na maioria das vezes muito divertida, certo? Quem vê o desenhista trabalhando na criação de um personagem sempre olha de fora e se maravilha com aquele mundo de cores e formas, mas não sabe que, no fundo, criar um personagem é algo muito complexo e difícil!

O processo de criação de um personagem não envolve apenas desenhá-lo de qualquer maneira: existe todo um estudo por trás. Quem joga o jogo tem que se identificar com o personagem, precisa querer ser o personagem, “vestir a camisa” e querer explorar novos mundos com ele. Para isso, ele precisa ser único, carismático e ter cores que remetam à sua personalidade. Seu personagem precisa ser mais que um mero herói: ele precisa ser um ícone!

O ícone

Seu personagem tem que representar algo para o seu público. Herói, vilão, princesa, não importa o papel que ele terá: ele precisa ser único. Agora você deve estar se perguntando: como fazer para deixar meu personagem reconhecível para a maioria dos mortais?

Há certas fórmulas que funcionam. O que faz o Ryu (Street Fighter) ser um grande personagem, diferenciando-o de um “karateca” comum? Sua bandana.

A bandana do Ryu é o que o destaca dos demais…

Pode parecer que não, mas o ícone está ali. O que faz o Batman prevalecer diante de outros super-heróis? São suas “orelhinhas”. E o Super-Homem? O “S” no peito. Ícones podem estar atrelados a formas e símbolos. No caso de Ryu, temos a bandana (forma), já no Super-Homem temos o “S” no peito (símbolo), e o Batman consegue atrelar dois desses elementos – já que suas orelhas e o símbolo (o morcego amarelo e preto em seu peito) são igualmente icônicos.

Para mim, o Batman é o personagem mais icônico da DC. Já o “S” no peito do Super-Homem é o que faz dele um ícone.

As cores também são elementos importantes e sempre fazem parte do estudo. A bandana de Ryu, assim como seu kimono, poderiam ser pintadas de qualquer cor – porém, teriam outro sentido se fossem diferentes do que são. O kimono de Ryu é branco e sua bandana, vermelha – à principio pode até parecer simples e pobre, já que não são muitas cores, mas o resultado é tão icônico quanto o seu visual. Apenas duas cores é tudo o que precisamos aqui: Ryu é um lutador japonês e ele leva em seu visual as cores da bandeira de seu país. Se fosse azul e laranja, não carregaria o mesmo simbolismo.

Claro que, no caso de Ryu, faz ainda mais sentido ter as cores de sua bandeira – afinal, trata-se de “um herói defendendo o seu país”. Mas nem sempre é isso que faz o seu personagem se tornar icônico.

A silhueta

Uma boa maneira de reconhecer um personagem único e icônico é o teste da silhueta. Se mesmo todo pintado de preto o seu personagem for reconhecido, então podemos dizer que sua criação é forte o suficiente pare ser lembrada.

Vamos ver isso na prática? Abaixo, há varias silhuetas de personagens de desenho animado. Responda para si mesmo quantos deles você se lembra. Isso mostrará para você sua capacidade de reconhecer ícones e entender como ser icônico é importante no mundo dos personagens.

Personagens icônicos são facilmente reconhecidos por suas silhuetas

Mas cuidado: mesmo sendo icônico, há certos acessórios que podem fazer com que seu personagem perca o reconhecimento. Capas são elementos fortes em personagens heróicos – porém, em movimento elas podem atrapalhar no reconhecimento da figura. É por isso que eu acho o Batman mais “pop” que o Super-Homem: não fossem suas “orelhinhas”, ele seria apenas mais um herói de capa dentre outros tantos.

O carisma

Por último, mas não menos importante, temos o carisma de nossa criação. Veja bem, aqui carisma não quer dizer apenas “ser gente boa”, é informar uma qualidade do caráter de seu personagem ao público. Se ele é um herói, a tendência é passar uma postura severa e calma. Já um vilão pode ser psicótico e louco. Sim, vilões também têm carisma – e, em determinados casos, podem até roubar a cena dos heróis.

Hoje em dia, estão muito na moda os “bad boys” ou anti-heróis. Eles não são maus, mas têm essa postura meio rebelde. Um bom exemplo disso é o protagonista do jogo Príncipe da Pérsia.

No primeiro game, lá nos primórdios de sua criação, o príncipe era o estereótipo clássico do mocinho de filme: cabelos bem penteados e brilhando, barba feita, roupas brancas, limpinho. Já em sua recriação para o 3D, na década passada, o personagem adotou uma postura de bad boy: seus cabelos ficaram rebeldes e mal cuidados, com a barba por fazer e uma personalidade muito mais agressiva. Veja, ele continua sendo um herói – porém, aqui sua postura se adapta a uma nova tendência de público.

Príncipe da Pérsia: ajustes para um novo público

Hoje em dia, no hall dos personagens mais famosos, está Kratos, o espartano careca e cheio de tatuagens que usa duas adagas enormes presas em correntes para atacar seus inimigos. Tudo nele bate: silhueta perfeita, estilo anti-herói e um ícone estiloso, pois suas adagas dão a ele um contorno único e de fácil reconhecimento por seus fãs.

O anti-herói Kratos é um dos personagens mais queridos dos videogames

Não há muitos sites ou blogs de estudo de Concept Art – aqui estou passando algumas informações que coletei e estudei durante algum tempo de pesquisa. Geralmente os sites de concept art já vêm com os personagens feitos, e muito pouco é dito sobre sua criação. Mas, quem quiser dar uma olhada num site legal de concepts, uma boa dica é o Concept Art World.

Bom, eu poderia ficar aqui falando sobre criação de personagens e citando grandes exemplos por mais uns 20 posts, mas acho que já deu para passar uma ideia do que é necessário para se criar um personagem icônico. Recapitulando: boa silhueta (ícone), cores que remetam sua personalidade (ou local de origem) e carisma (algo que o aproxime do seu público-alvo). Com essa fórmula, conseguimos criar um personagem que será lembrado durante um bom tempo.

Mas lembre-se que a tarefa não é assim tão fácil: estude muito sobre seu personagem antes de criá-lo. Boa sorte!

6 Comentários

  1. Muito bom Vitão!



  2. Daniel

    Muito Bom cara valeu!



  3. amanda

    um vilão que roubou a cena dos heróis foi o tay lung, detre 6 heróis ele só não ultrapassou a tigresa(ainda, mas espero q continue assim pq eu prefiro ela)



  4. Japamarx

    Apenas uma correção, o motivo do Ryu ter a bandana vermelha, é que ele ganhou de presente do Ken (que usa uniforme vermelho).



  5. Victor freundt

    Opas, então Japamarx (como não sei seu nome né hehehe :P), a bandana vermelha sim, foi presente do Ken. Agora a branca (original no primeiro SF) ja era dele, e ele ainda usava nesse game, uma sapatilha vermelha horrorosa, que graças a pai celestial na séria “alpha” (zero) foi removida (já q a mesma conta a história apartir do original, com alguns personagens a mais, e outros a menos, e alguns da saga original :P).



  6. victor franco

    nossa q daora esses desenhos



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


Voltar

Fatal error: Call to undefined function act_stream() in /nfs/c09/h05/mnt/128096/domains/mochilabinaria.com.br/html/wp-content/themes/mochilabinaria/footer.php on line 54